SESI orienta construção civil sobre protocólos de segurança contra o coronavirus

20/05/2020

Compartilhe este artigo:

Indústrias da construção civil, primeiro setor a retomar as atividades após os decretos editados pelo governo para conter o avanço do coronavírus, estão sendo orientadas pelo SESI para o atendimento dos protocolos de segurança. Em Balneário Camboriú e Itapema, equipes da entidade que integra a FIESC estão visitando os canteiros de obras para esclarecer dúvidas sobre o monitoramento da saúde dos trabalhadores.

A ação integra a campanha Obra mais segura e quer assegurar os entendimentos das medidas preventivas, explica a gerente executiva de saúde e segurança do SESI SENAI, Sendi Lopes. “O setor está atento às medidas de saúde e segurança necessárias para manter o ambiente seguro. Uma das questões mais importantes diz respeito à orientação do trabalhador, conscientizando sobre a importância da higienização frequente e correta das mãos, a intensificação da limpeza das áreas comuns e das superfícies mais tocadas, como elevadores, interruptores, mesas e ferramentas, ainda mais agora com essa retomada total dos trabalhos”, explica. “Todos devem estar atentos e devem ser afastados ao surgimento de sintomas como febre, tosse, coriza e falta de ar”, completa.

Entre os documentos elaborados pelo SESI, em parceria com os SINDUSCONs e os SECONCIs de Santa Catarina, estão o protocolo para gestão de crise, que orienta sobre a implantação de um modelo que atenda aos cuidados e medidas preventivas exigidas pelas legislações federais e estaduais; o checklist de implantação, que visa facilitar a dinâmica da implantação das medidas no canteiro de obras; cartazes informativos, com a seleção de informações importantes para divulgação no canteiro de obras, que podem ser impressos e afixados em locais específicos, como murais, próximo ao elevador, locais de higienização, refeitório, entre outros.

AÇÕES NO LITORAL

As cidades de Balneário Camboriú e Itapema foram escolhidas pelo SESI para iniciar este programa piloto, chamado de “Obra Mais Segura, justamente pela grande quantidade de empresas e de trabalhadores atuantes no setor. Para se ter uma ideia, só em Itapema são cerca de 2 mil trabalhadores atuando na construção civil e em Balneário Camboriú o setor emprega outros 4 mil trabalhadores.

Nas empresas já visitadas pelos técnicos em segurança no trabalho, os colaboradores já acostumaram com a nova rotina. No início da jornada de trabalho, eles já recebem orientações, como formas de contaminação pelo vírus COVID-19 e como evitar um contágio, usando os equipamentos de segurança, como as máscaras, além de lavar frequentemente as mãos, usar álcool em gel, uso do elevador por apenas três pessoas, distanciamento, e muitas outras medidas. E os cuidados são ainda maiores, com a higienização dos materiais utilizados pelos colaboradores a cada duas horas e a temperatura é aferida duas vezes a cada período.

“A gente já vinha desenvolvendo essas ações em nossas obras, mas agora elas foram intensificadas, enfim, uma série de exigências que precisam ser seguidas para que essa pandemia não se instale e não se torne maior do que está”, destacou o sócio proprietário da Delavalle Empreendimentos, Rodrigo Teles Delavalle. “A gente percebeu, que é muito difícil mudar os hábitos, mas vínhamos realizando essa parte da inclusão desde a utilização dos EPIs, então a utilização das máscaras, e a parte de higiene, não tivemos dificuldade nenhuma”, completou o engenheiro, José Correia.

O mestre de obras, Salvino Souza de Oliveira, trabalha em uma das construtoras que recebe a visita das equipes do SESI. Segundo ele, os cuidados foram redobrados e todos aceitaram muito bem as mudanças. “A primeira coisa que faço é verificar a febre deles com um aparelho e se estiver alterado é encaminho ao posto. Nós temos que seguir as normais de orientações da saúde, (...) pra gente não ficar contaminado e não levar para casa o vírus”, lembrou o trabalhador.

Legenda: Orientações são repassadas aos trabalhadores por equipes de saúde e segurança do SESI

Os documentos estão disponíveis no site do Observatório FIESC e são atualizados sempre que necessário, mantendo assim as indústrias sempre informadas.

https://www.observatoriofiesc.com.br/suporte-saude-seguranca

Compartilhe: